Veco Noticias Sapezal

Dados de requerimentos da CPI da Covid indicam que pedidos de senadores governistas saíram do Palácio do Planalto

Pelo menos 11 pedidos de aliados de Bolsonaro são ‘assinados’ por assessora da Secretaria de Governo. ‘O Globo’ revelou dados; G1 aguarda posicionamento de senadores e do Planalto. Dados “ocultos” nos arquivos eletrônicos enviados à CPI da Covid nesta quarta-feira (28) indicam que pelo menos 11 requerimentos protocolados por senadores aliados do governo foram, na realidade, produzidos por funcionários do Palácio do Planalto.

A assinatura da assessora especial da Secretaria de Assuntos Parlamentares da Secretaria de Governo, Thaís Amaral Moura, aparece nos metadados dos requerimentos para que a CPI convoque médicos e especialistas alinhados ao governo Jair Bolsonaro – que defendem o uso de remédios cuja ineficácia está cientificamente comprovada e criticam o isolamento social no combate à Covid.

Os metadados são informações inseridas automaticamente nos arquivos digitais e que indicam a origem de um documento. Em fotos digitais, por exemplo, os metadados informam o modelo da câmera e a data do registro.

Em arquivos de texto, os metadados podem indicar o nome do autor ou da pessoa que tinha feito login no sistema quando o documento foi salvo. Essa assinatura não aparece escrita junto ao texto, mas fica armazenada nas propriedades de cada arquivo.

Ao todo, cinco dos 11 requerimentos protocolados por Ciro Nogueira (PP-PI) e seis dos sete apresentados por Jorginho Mello (PL-SC) têm Thaís Amaral Moura como autora.

As informações foram reveladas pelo jornal “O Globo” – em seguida, o G1 e a TV Globo também verificaram os dados.

A TV Globo pediu posicionamento à Secretaria de Governo e aos dois parlamentares. O senador Jorginho Mello informou que não comentará o assunto; a TV Globo aguarda as outras respostas.

Em oito desses 11 requerimentos, os dois senadores aliados de Jair Bolsonaro se repetiram – apresentaram pedidos de convocação das mesmas quatro pessoas:

Bruno Campello de Souza, doutor e mestre em psicologia cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e coautor de um estudo que teria indicado relação entre medidas de lockdown e o aumento da mortalidade por Covid;

Francisco Eduardo Cardoso Alves, especialista em Infectologia pelo Instituto Emílio Ribas e defensor do uso da hidroxicloroquina – remédio que não funciona contra a Covid;

Nise Yamaguchi, oncologista e imunologista que chegou a ser afastada pelo hospital Albert Einstein ao comparar o medo da Covid-19 à postura das vítimas do Holocausto nazista;

Paulo Mácio Porto de Melo, presidente da Comissão de Residência Médica (COREME) do Hospital Militar de Área de São Paulo, contrário ao lockdown e favorável ao suposto “tratamento precoce”.

Thaís Amaral Moura também assina, nos metadados, um requerimento protocolado por Ciro Nogueira para que a CPI convoque o prefeito de Chapecó, João Rodrigues.

O político vem sendo elogiado nas últimas semanas por Bolsonaro porque, supostamente, daria “liberdade aos médicos” para usar remédios sem eficácia comprovada no tratamento da Covid. No início de abril, reportagem do G1 mostrou que a mortalidade por Covid em Chapecó era superior à média nacional.

Entre os sete requerimentos apresentados por Jorginho Mello, seis são assinados por Thaís Moura. Nesses documentos, o senador também pediu a convocação de Roberto Porto de Melo e do procurador-geral de Justiça do Pará, Gilberto Valente Martins – que apura supostas irregularidades em contratos do governo do Pará para o enfrentamento do coronavírus.

Os outros requerimentos apresentados pelo senador Ciro Nogueira tem como autor um funcionário de seu gabinete. Já o único requerimento do senador Jorginho Mello que não traz o nome da assessora do Palácio do Planalto na autoria é assinado, nos metadados, pela Consultoria Legislativa do Senado.

Além da apresentação de requerimentos, o grupo governista na CPI da Covid também atua para tentar retirar o senador Renan Calheiros (MDB-AL) da relatoria dos trabalhos. Veja na reportagem abaixo:

Senadores governistas recorrem ao STF para tentar tirar Renan da CPI da Covid

Requerimentos à CPI

Nas primeiras 24 horas de funcionamento, até a tarde desta quarta, a CPI da Covid já acumulava 176 pedidos de informação a órgãos públicos e convocação de ministros, ex-ministros e auxiliares do governo de Jair Bolsonaro.

A CPI foi instalada nesta terça e, durante a sessão, o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), apresentou um plano inicial de trabalho. Esse plano prevê, por exemplo, a convocação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e dos três ex-ministros da pasta no governo Bolsonaro. A votação do plano está prevista para esta quinta.

A maioria foi apresentada por parlamentares independentes e de oposição, maioria na comissão. Os parlamentares aliados do Palácio do Planalto, contudo, miram principalmente contratos referentes a estados e municípios e medidas de tratamento precoce.

Os requerimentos podem ser protocolados por todos os membros da CPI e devem ser submetidos a votação no plenário da comissão.

Outro aliado de Bolsonaro na CPI, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) apresentou pedidos de convocação de quatro governadores: João Doria (PSDB-SP), Wilson Lima (PSC-AM), Rui Costa (PT-BA) e Helder Barbalho (MDB-PA).

A conduta de governadores na pandemia não é alvo da comissão, e o regimento do Senado diz que não se admite CPI sobre matérias pertinentes aos estados. Apesar disso, o aliado de Bolsonaro propôs que o colegiado tome os depoimentos desses governadores.

CPI da Covid vai ouvir ex-ministro Luiz Henrique Mandetta na terça-feira (4)

Rolar para cima