Veco Noticias Sapezal

Três estados descumprem lei que proíbe que servidores aposentados sejam computados como despesas com pessoal do Poder Executivo

Manobra para burlar limite de gasto com funcionalismo do Legislativo, Judiciário e Ministério Público ocorre no Rio, em Sergipe e em Roraima. Estudo aponta ‘maquiagem’ de gastos com servidores inativos

Pelo menos três Estados ainda não se adequaram a uma mudança na Lei de Responsabilidade Fiscal que proibiu que os gastos com servidores aposentados e inativos do Legislativo, do Judiciário e do Ministério Público sejam computados como despesas de pessoal do Poder Executivo. São eles: Rio de Janeiro, Sergipe e Roraima.

Essa alteração está em vigor desde janeiro, quando foi sancionada a Lei Complementar 178/2021, que instituiu o novo Regime de Recuperação Fiscal para estados endividados. Os estados que aderirem ao plano devem tomar uma série de medidas de corte de gastos e aumento de receita, para atingirem o equilíbrio de suas contas.a das mudanças na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) determinou que cada Poder (Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público) inclua seus inativos e pensionistas no cálculo do seu próprio limite de gastos com pessoal, mesmo que o custeio dessas despesas esteja a cargo de outro Poder ou órgão.

De acordo com a LRF, os Estados podem gastar até 60% do que arrecadam com o funcionalismo, sendo que:

No Poder Executivo, o limite é de 49% da receita;

No Poder Judiciário, 6%;

No Poder Legislativo (que inclui a Assembleia Legislativa e o Tribunal de Contas do Estado), 3% da arrecadação;

No Ministério Público, 2% de tudo que o Estado arrecada.

No início deste mês, o Estado do Rio recebeu aval da Secretaria do Tesouro Nacional para entrar no novo Regime de Recuperação Fiscal.

No entanto, um levantamento feito a pedido da GloboNews mostra que até abril deste ano a Assembleia Legislativa do Rio, o Tribunal de Contas do Estado, o Tribunal de Justiça e o Ministério Público ainda não incluíram os gastos com seus aposentados e pensionistas nos seus limites para despesa com pessoal. Esses valores continuam entrando no teto do Poder Executivo – justamente o que, em média, paga os salários mais baixos do funcionalismo.

O levantamento nos Poderes de todos os Estados do país foi feito no Siconfi (Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro), da Secretaria do Tesouro Nacional; e também nos Relatórios de Gestão Fiscal referentes do 1º quadrimestre.

“No Estado do Rio, se cada Poder incluir o valor de inativos e não fizer a maquiagem dos royalties, em uma projeção feita um ano atrás para 2021 na Lei de Diretrizes Orçamentárias, praticamente todos os Poderes estouravam os limites. Exceto o Ministério Público, que ficava muito próximo”, explicou o especialista em finanças públicas Paulo Henrique Feijó, autor do levantamento, que completou: “Ao estourarem os limites da LRF, eles terão que fazer cortes de despesa com pessoal. E ai eles não querem enfrentar o ônus de fazer corte de despesa com pessoal. É mais fácil, em vez de encarar o realismo fiscal, é mais fácil maquiar os números”.

Alerj aprova projeto de lei que obriga cada poder a pagar seus funcionários aposentados

Com essa manobra, no Estado do Rio somente o Poder Executivo ultrapassou seu limite para despesas com pessoal no primeiro quadrimestre, que atingiu 57,1% da receita. O limite é de 49%.

Sergipe, Roraima e Acre

Ainda de acordo com o levantamento, os Estados de Sergipe e Roraima ainda não se adequaram totalmente à nova forma de calcular as despesas com o funcionalismo em seus relatórios de gestão fiscal do 1º quadrimestre.

Em Sergipe, o Judiciário e o Ministério Público ainda não incluíram seus inativos e pensionistas no cálculo dos seus limites de despesas com pessoal.

Já em Roraima, apenas o Legislativo ainda não se adequou.

No Acre, a Assembleia Legislativa ainda não publicou seu Relatório de Gestão Fiscal dos primeiros quatro meses do ano. Assim, não é possível saber se já está cumprindo a nova regra.

“Na verdade, quando os outros Poderes não incluem seus aposentados e pensionistas, eles criam um espaço pra aumentar as despesas com pessoal, que eles não teriam, porque eles estão acima do limite. Ao não computar, fica parecendo que eles têm uma folga. E essa folga pode ser ocupada por aumento de salários, contratação de servidores… a depender do contexto da legislação atual”, completou Feijó.

Outro lado

Em nota, o Tribunal de Justiça do Rio informou que estuda tomar alguma medida judicial para não colocar em risco o seu limite de gasto com pessoal em relação ao que prevê a Lei de Responsabilidade Fiscal. O TJ disse ainda que, para assumir a obrigação de pagar seus inativos, teria que receber estas contribuições previdenciárias.

Já a Assembleia Legislativa do Rio anunciou que recorreu ao Supremo Tribunal Federal questionando as mudanças na LRF. Segundo a Alerj, diversos dispositivos violam as cláusulas pétreas da separação de Poderes, pois extinguem a autonomia administrativa dos poderes e tiram a capacidade dos entes da federação de administrar seus recursos.

O Ministério Público do Rio e o Tribunal de Contas do Estado do Rio também foram procurados, mas não se manifestaram.

O Tribunal de Justiça de Sergipe afirmou que inativos e pensionistas não constam na folha de pagamento do tribunal, e sim do Sergipe Previdência – gestor do regime único de previdência dos servidores do Executivo, Legislativo e Judiciário e Ministério Público sergipanos. Por isso, o tribunal não inclui seus aposentados e pensionistas no cálculo do limite para gasto com pessoal.

O Ministério Público de Sergipe destacou que segue a nova metodologia de cálculo de gastos com aposentados e pensionistas, imposta pela lei que criou o novo Regime de Recuperação Fiscal. O MP-SE disse ainda que está em sintonia com os parâmetros estabelecidos pelo Tribunal de Contas do Estado de Sergipe.

A Assembleia Legislativa do Acre declarou que, com a implementação do seu Portal da Transparência, os gastos com inativos e pensionistas vão ser publicados.

A GloboNews entrou em contato com a Assembleia Legislativa de Roraima, mas não teve resposta.

Rolar para cima